A Hidrografia na Trajetória de Riobaldo em “Grande Sertão Veredas”
Na narrativa do Grande Sertão: veredas percebe-se a grande importância da hidrografia revelando os caminhos percorridos por Riobaldo, ao ziguezaguear pelos sertões dos Gerais, desde menino e, especialmente, com os bandos de jagunços e seu grande amor, Diadorim. Neste espaço ficcional se destacam três bacias hidrográficas de Minas Gerais, tais como a do Rio São Francisco, que parte sua vida ao meio, a do Rio Pardo e a do Rio Jequitinhonha onde vários episódios de sua vida se desenrolam. Nesse contexto, este trabalho tem como objetivo analisar a importância e a função da hidrografia como suporte para o espaço ficcional da obra Grande Sertão: veredas de João Guimarães Rosa, dando sentido à complexa e conflituosa trajetória do seu principal personagem, Riobaldo. A abordagem metodológica privilegiou um estudo analítico-sintético com a realização de leituras e análises da obra já citada e de outros autores que analisaram e escreveram sobre o tema.

Palavras-chave: Hidrografia. Trajetória de Riobaldo. Grande Sertão: veredas. Literatura brasileira

pdfA Hidrografia na Trajetória de Riobaldo em “Grande Sertão Veredas”- Marina de Fátima Brandao Carneiro